domingo, 28 de março de 2010

A mulher de verdade segundo a Bíblia

No artigo anterior falou-se a respeito das características do verdadeiro padrão de homem segundo a Palavra de Deus que, como vimos, é bem diferente da idéia de masculinidade que o mundo propõe como estilo de comportamento. Com os padrões de feminilidade, a sociedade moderna fez uma inversão de valores semelhante, e é isso que será abordado aqui.

As mais fiéis seguidoras de Jesus foram as mulheres. Foi uma mulher que lavou os pés de Jesus com suas lágrimas (Lucas 7:44). Foi também uma mulher a primeira pessoa a quem Cristo aparecer após ter ressuscitado (Marcos 16:9). As mulheres sempre estavam entre aqueles que perseveravam (Atos dos Apóstolos 1:14) e que tinham o coração aberto para a pregação (Atos dos Apóstolos 16:14). Mulheres sempre estavam entre o grupo dos que trabalhavam pelo evangelho (Filipenses 4:3) e, talvez por isso, à mulher é comparada a igreja, como uma esposa fiel e amorosa que se apronta para seu marido (Apocalipse 21:2).

Em face de tudo isso e de diversas outras citações honrosas que a Bíblia faz da mulher, é que podemos perceber o papel de destaque que a mulher tem dentro do contexto bíblico. Não naquilo que a aproxima do homem, mas naquilo que a diferencia. Deus criou homem e mulher, cada um com um papel, e sendo honrado (a) na medida em que se ajusta ao fim que foi criado (a) por Deus.

Mas, como sempre, o mundo perverteu os valores e padrões anunciados na Bíblia. As jovens do nosso tempo sofrem de um outro problema: a falta de padrão. A nossa “moderna” sociedade tem ensinado que o papel que a mulher sempre desempenhou na família até o inicio do século passado está ultrapassado. Ensina-se que deve ser ignorado o passado e se construir um novo modelo de mulher, avessa à submissão e a qualquer tipo de dependência do sexo masculino.

Muito disso começou como o corrompido movimento feminista, iniciado há cerca de um século atrás e agravado a partir da década de 60. No início, as mulheres buscavam apenas exercer a cidadania, através do voto. Mas em um segundo momento, as mulheres passaram a exigir uma “igualdade social” com os homens, o que consistiu numa reação das mulheres ao papel que desempenhavam no passado. Assim como Lúcifer achou que poderia ser igual a Deus e tentou usurpar ser igual a Ele, as feministas também quiseram ser iguais aos homens. Tanto o anjo de luz quanto as mulheres erraram. Aquele, por achar que deveria ser mais do que realmente era e estas por ignorarem a posição de honra que a própria Bíblia deu a elas, achando enganosamente que se desfrutassem de um papel exatamente igual ao do homem poderiam ser mais realizadas, negando assim os padrões estabelecidos desde a Criação.

Como a experiência sempre mostra que o ser humano jamais pode fazer algo melhor (ou sequer igual) ao que Deus idealizou, as conseqüências desse movimento têm sido funestas. O feminismo trouxe consigo um aumento significativo dos índices de homossexualismo, depressão e descontentamento entre as mulheres. Foi exatamente a partir da segunda fase do feminismo que a nossa sociedade experimentou uma das piores fases de decadência moral de sua história, culminando nos últimos cinquenta anos em tudo aquilo que temos visto hoje.

Dentro dessa falsa idéia de igualdade, as mulheres passaram a ser fruto dos modelos impostos pela mídia, nas propagandas de grandes lojas, nas entrevistas de modelos famosas e principalmente nas novelas, que mostram mulheres que se orgulham de ser independentes, mas ao mesmo tempo tratam seus próprios corpos como objeto de conquista e levam uma vida deprimida e vazia. A ilusão de um enganoso feliz último capítulo, faz as mulheres acharem que esse é o melhor modelo a ser seguido.

Ensina-se que a mulher de verdade deve ser, antes de tudo, independente. Constrói-se o mito de que a mulher só se realiza e só é reconhecida socialmente se trabalhar fora de casa. Além disso, ensina-se que a mulher deve ter um estilo tão permissivo e leviano quanto os homens do mundo. Para o mundo, a mulher deve ser autoritária e submeter todos os homens aos seus pés.

Mas será esse o tipo de mulher que a Bíblia recomenda? Será esse o modelo cristão de feminilidade? É óbvio que não. Então vejamos algumas das características da mulher de verdade segundo a Bíblia.

A mulher deve ser boa dona de casa: A Bíblia ensina que a mulher deve saber cuidar de sua casa. Em Provérbios, a Bíblia diz que a mulher está sempre pronta a dar de comer aos de casa a qualquer hora do dia (Provérbios 31:15) e não come o pão da preguiça (Provérbios 31:27).

Deve cuidar da sua aparência e família: Além de ser boa dona de casa, a mulher de verdade cuida bem da sua própria aparência e daqueles que dela dependem, providenciando para que eles estejam sempre bem vestidos (Provérbios 31:21-22).

Deve edificar com sabedoria: Ainda segundo Provérbios, a mulher deve saber edificar sua casa com sabedoria, sabendo a hora certa de falar (Provérbios 31:26). Enquanto a mulher sábia edifica o lar, a tola o destrói (Provérbios 14:1).

Deve ser companheira e auxiliadora idônea: Desde a Criação da mulher, Deus estabeleceu que a mulher seria uma companheira idônea do homem (Gênesis 2:18). E isso não coloca a mulher em posição de desonra, mas em lugar de honra e de importância única e insubstituível. A obra da Criação estava incompleta até que a mulher foi criada e com ela veio a mais bela das instituições: a família.

Deve ser mãe: O mais importante papel da mulher é ser mãe. Antes que sociedade se corrompesse, esse era o sonho de toda mulher. A mulher entende a importância de seu papel quando se torna mãe. Todos os grandes homens, e mesmo Jesus Cristo, foram gerados do ventre de uma mulher.

Deve ser intercessora: A mulher deve ser alguém que intercede por seu esposo e por sua família. Ela não se cansa de orar incessantemente por eles, e “sua lâmpada não se apaga de noite” (Provérbios 31:18).

Deve ser temente ao Senhor: Por fim, a mulher de verdade é temente ao Senhor.

“Enganosa é a beleza e vã a formosura, mas a mulher que teme ao SENHOR, essa sim será louvada.” (Provérbios 31:30).

Esse é o padrão de mulher segundo a Bíblia: sábia, boa dona de casa, companheira, mãe, intercessora e temente a Deus. Não são os valores que estão em moda, mas são valores eternos, comuns às mulheres que fizeram parte da Bíblia.

Cabe a você mulher analisar qual o melhor modelo a ser seguido. Valeria a pena cair no engano de que a Bíblia está ultrapassada, retrógrada? Será mesmo que a mulher feliz é a mulher independente, que não precisa de homem nenhum e que ignora o modelo de comportamento bíblico? Para todas essas perguntas, a melhor resposta é a negativa. E feliz e virtuosa será a mulher que entender que na Bíblia está o verdadeiro modelo de conduta para a mulher.

“Salvar-se-á, porém [a mulher], dando à luz filhos, se permanecer com modéstia na fé, no amor e na santificação.” (1 Timóteo 2:15)

7 comentários:

Mayara disse...

Bom dia .. gostaria de fazer uma pergunta.. Sobre seu texto... Seria errado a mulher trabalhar fora e ser casada cumprindo com seu papel dentro do seu lar e ajudando seu esposo financeira mente? seria errado a mulher se formar ter sua profissão? e se for o caso da mulher ganhar mais q o homem o homem tem direito de mandar ela largar sua profissão? e ser submissa a seu marido qr dizer q eu não posso ter voz ativa dentro da minha casa e perante aos meus filhos? Uma mulher solteira com um filho que se converte deve se casar para nao trabalhar? um homem q se casou com a seg esposa e largou sua familia se concidera um verdadeiro cristão? Queria ajuda e entender essas perguntas obrigado pela atenção um bom dia para o sr

Mayara Brito disse...

Bom dia .. gostaria de fazer uma pergunta.. Sobre seu texto... Seria errado a mulher trabalhar fora e ser casada cumprindo com seu papel dentro do seu lar e ajudando seu esposo financeira mente? seria errado a mulher se formar ter sua profissão? e se for o caso da mulher ganhar mais q o homem o homem tem direito de mandar ela largar sua profissão? e ser submissa a seu marido qr dizer q eu não posso ter voz ativa dentro da minha casa e perante aos meus filhos? Uma mulher solteira com um filho que se converte deve se casar para nao trabalhar? um homem q se casou com a seg esposa e largou sua familia se concidera um verdadeiro cristão? Queria ajuda e entender essas perguntas obrigado pela atenção um bom dia para o sr

Anônimo disse...

Boa tarde gostaria de saber se ser submissa é aceitar tudo o que o esposo diz,ser ser submissa é não ter voz dentro da sua propria casa e ter de ser ofendida e batida pelo esposo e nao fazer nada?

Unknown disse...

O problema não é a mulher trabalhar, e sim ela não cumprir sua função como mãe e esposa. Qdo a mulher fica independente ela não quer se sujeitar, ai a familia sai da ordem estabelecida por Deus e um dos resultados são filhos desobedientes.

Francisco Freire disse...

O problema não é a mulher trabalhar, e sim ela não cumprir sua função como mãe e esposa. Qdo a mulher fica independente ela não quer se sujeitar, ai a familia sai da ordem estabelecida por Deus e um dos resultados são filhos desobedientes.

Taty Fernandes disse...

Verdade...isso aconteceu na minha família

Sarah Castro disse...

Olá, tudo bem? Eu acho que posso responder sua pergunta.

Submissão, segundo a Bíblia, não é a mulher não ter voz ou obedecer ao seu marido como uma empregada. Submissão é estar sob uma missão (a missão do marido) - os caminhos de Jesus.

O marido deve amar sua esposa assim como Cristo amou a Igreja. Ele deve dar a sua própria vida à mulher, prezar pela segurança e santidade dela.

Quando a Bíblia fala que a mulher deve ser submissa ao marido significa que ela precisa seguir seus passos, pois ele segue os passos de Cristo. O marido quando obedece a Deus, passa a ser um exemplo, um referencial para sua esposa. Ai que entra a questão da submissão.

Espero ter ajudado. Deus abençoe.